Baixar Livro Gente Pobre – Fiódor Dostoiévski PDF MOBI LER ONLINE

Comportamento, Literatura, Romance

Baixar Livro Gente Pobre – Fiódor Dostoiévski PDF MOBI LER ONLINE

Baixar Livro Gente Pobre – Fiódor Dostoiévski PDF MOBI LER ONLINE

Primeiro romance de Dostoiévski, gente pobre (1846) não é apenas um prenúncio do que o autor de Crime e castigo faria no futuro. Nele já se encontra um escritor com domínio pleno do seu ofício, a ponto de Bielínski, principal crítico da época, ver na obra “mistérios e caracteres da Rússia com os quais ninguém até então havia sequer sonhado” e “a primeira tentativa de se fazer um romance social” no país.
Partindo das experiências de Púchkin, em “O chefe da estação”, e Gógol, em “O capote”, que deram ao homem comum uma nova roupagem literária, Dostoiévski criou uma narrativa epistolar que subverteu o gênero por completo e foi imediatamente aclamada pelo público, fazendo de seu autor, praticamente da noite para o dia, um escritor consagrado.
Pela troca de cartas entre Makar Diévuchkin, funcionário menor de uma repartição pública de Petersburgo, e sua vizinha Varvara Alieksiêievna, uma jovem órfã injustiçada, o leitor acompanha de perto as pequenas alegrias e os constantes sofrimentos dos dois personagens. Com seu talento fora do comum, Dostoiévski explora a fundo as variações de tom e tratamento, de saltos e encadeamentos na ação, para dar voz a um universo comovente de afetos e valores, que a tradução de Fátima Bianchi soube tão bem captar.

Baixar, Livro, eBook, PDF, ePub, mobi, Ler Online

  • download livros gente pobre dostoievski
  • gente pobre fiodor ebook
  • pobre gente pdf
  • trechos do livro gente pobre

Opinião do Livro Gente Pobre – Fiódor Dostoiévski PDF MOBI LER ONLINE

Pobre Gente é um romance epistolar – ou seja, um conto contado como uma série de cartas entre os personagens. E oh, o que personagens são esses! Makar Dievushkin Alexievich é um copywriter, quase rangendo por; Barbara Dobroslava Alexievna trabalha como costureira, e ambos enfrentam o tipo de sociedade humilhação cotidiana coloca sobre os pobres. Estas são pessoas respeitadas por ninguém, nem mesmo por si mesmos. Estas são pessoas muito pobres, em suas circunstâncias, de se casar; o amor entre eles é uma coisa pura e adequada, um amor que traz alguns leitores às lágrimas. Mas não é piegas, qualquer um; Fyodor Dostoevsky tem algo profundo a dizer sobre essas pessoas e esta circunstância. E ele diz isso muito bem. Quando o livro foi publicado pela primeira vez um crítico literário russo líder do dia – Belinsky – profetizou que Dostoiévski se tornaria um gigante literário. Não é difícil ver como ele chegou a essa conclusão, e em retrospectiva, ele foi certamente estava correta.
Este é um livro ridículo. É as cartas trocadas entre um pobre velho e uma jovem pobre que vive no mesmo complexo habitacional, mas que raramente vemos uns aos outros por uma questão de decoro. É basicamente algo como isto:
“Oh Makar esta semana eu perdi meu emprego e estou ficando sem dinheiro e eu estou me sentindo tão doente que eu só poderia morrer! Tudo o que devo fazer!”
“Oh Varvara, pobre criança. Deixe-me, como uma figura paterna, enviar-lhe algumas flores e roupas de cama, embora eu não tenho dinheiro e provavelmente vai ficar bêbado neste fim de semana e eu sou apenas metade de um homem!”
“Oh Makar, parar de enviar-me coisas que você não pode pagar. Você é tão pobre e você nunca me visitar e você tem gosto terrível em livros e quando eu era criança eu era uma vez no amor com um menino que morreu!”
“Oh Varvara, meu gosto por livros não é tão ruim assim. É verdade, eu não posso escrever e eu não tenho estilo e tudo que eu escrevo é tão deliberada e forçado que é doloroso de ler, exceto quando eu declaro meu amor para você, nos casos em que estou apaixonado minha escrita melhora ligeiramente. Vavara você sabe que eu gosto de lhe mandar coisas que não podem pagar, mas esta semana a minha senhoria horrível precisa de dinheiro e eu não tenho nenhum, e tudo o que devo fazer! Eu sou um quebrado cara!”
E assim por diante. Estes dois fazem Myshkin, o “idiota” olhar como um gênio.
Folks pobres, romance de estréia de Dostoievski, é uma obra epistolar que retrata como a pobreza instila piedade e santidade na alma humana. Dostoyevsky pinta um retrato de como as pessoas pobres ficar dedicado a preservar sua dignidade no meio da pobreza ea luta pela sobrevivência.
A linha de história é escrita sob a forma de cartas entre os personagens principais, um copista pobres, Makar, e uma criada pobre, Varvara, que são primos em segundo grau que vivem como vizinhos em um bairro pobre. O leitor é atraído para as virtudes dos personagens principais, Marka e Varvara, a partir do início do livro até que a seção final.
Marka faz enormes sacrifícios para agradar a quem ama, Varvara. Embora ele seja um copista baixo paga, ele toma antes de seu salário para comprar presentes para Varvara. Ele deixa na pobreza extrema, muitas vezes usa desgastado e panos sujos, que fazem seus colegas zombar dele. No entanto, ele sai de seus meios para ajudar Varvara em suas lutas. Ele a apresenta a literatura e começa a trocar livros com ela.
O leitor é atraída para o sofrimento de Varvara em sua pequena história de cortar o coração sobre sua infância. Seu pai é apresentado como violenta e sua mãe sofre de depressão. Seu pai morre, e Varvara e sua mãe se muda para a casa de Anna Feodorovna, a senhoria cruel. Enquanto lá, ela é tutelado por Pokrovsky, um co-inquilino. O pai de Pokrovsky é um bêbado e sempre visitas. Ela se apaixona por Pokrovsky, que a apresenta a literatura. Pokrovsky adoece e morre. A mãe de Varvara morre muito e desde que ela não podia suportar a crueldade de Anna Fyodorovna, ela se move para ficar com o Fedora outro lado da rua. Qualquer um que é passado por sofrimento e pobreza seria facilmente se relacionar com este retrato de miséria.
O leitor também é atraído para o quanto agradecido Varvara é a magnanimidade de Marka. Por exemplo, quando ela descobriu que ele tinha que tomar o seu salário com antecedência, para agradá-la, ela o repreende. Apesar do fato de que eles estão condenados pelas duras realidades da pobreza, os dois restos devotados um ao outro em amor, de modo casto e tão puro.
Sua piedade, sua virtude hipócrita é posta à prova logo que o personagem de Mr. Bykov, que representa riqueza e materialismo entrou em cena. Mr. Bykov propõe Vavrinka, ela aceita e que foi o fim de seu relacionamento com Marka … ‘coisas desmoronar “.
Este é um breve romance sobre a pobreza e os efeitos que tem sobre uma pessoa – física e emocionalmente. Os dois personagens principais são tanto pobres e escrever cartas para si que descrevem a vida difícil em que tanto a experiência, juntamente com o afeto que sentem um pelo outro. Basicamente, a mensagem que eu tenho com este livro é: ser pobre é uma porcaria – as pessoas vão desprezá-lo e olhar para baixo em você, você vai ser feita de diversão e desrespeitados, você provavelmente vai ficar doente uma e outra vez, e você vai olhar como o inferno.
Este não foi um muito alegre livro, mas eu ainda estou feliz que eu tive a chance de lê-lo – ele me manter entretido durante os dois dias que passei a lê-lo e foi interessante que este era o primeiro romance de Dostoievski, que publicou enquanto ele estava em seus vinte e poucos anos. Talvez ele mesmo experimentou muitos dos desafios seus personagens indigentes têm que sofrer com este romance.
Eu li isso, imediatamente após a incrível House of the Dead, o que pode não ter sido a melhor idéia. Pobre Gente era bom o suficiente, mas muito bonito empalidece em comparação com House. Eu sinto que eu não dar-lhe uma chance bastante justo; também não é realmente o tipo de livro que eu realmente entrar, no entanto. Eu gostei do estilo epistolar, mas as declarações incessantes de amor entre os dois personagens principais só tinha me bocejando e revirando os olhos e me fez esquecer um monte de declarações destinados de Dostoiévski sobre a pobreza, opressão e classe na Rússia.
Eu não desgostei do livro, no entanto. É provavelmente impossível para mim não gostam de qualquer do trabalho de Fyodor; Eu encontrei esta a ser inferior aos demais que eu li.

Livros Relacionados

Written by dmendes40

Leave a Reply