Livro Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco PDF MOBI LER ONLINE

Suspense

Baixar Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco PDF MOBI LER ONLINE

Livro Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco PDF MOBI LER ONLINE

Descrição do livro

Neste livro, o leitor encontrará um dos momentos mais luminosos da obra do escritor – uma novela satírica, na qual o que dá a solda dos vários episódios soltos e razoavelmente simples é o estilo e o jogo entre as instâncias narrativas e autorais.

Livros Relacionados

Opinião do Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco PDF MOBI LER ONLINE

Essa foi a segunda, talvez terceira vez que li “Coração, Cabeça e Estômago”, de Camilo Castelo Branco. Mas, como o tesouro da parábola evangélica, a releitura me trouxe coisas velhas e coisas novas.

Entre as coisas novas que me trouxe, devo destacar, curiosamente, alguns dados que não estão no texto, mas sim no seu prefácio, assinado, na minha edição (Civilização Brasileira), pelo português radicado no Brasil Adolfo Casais Monteiro.

Dentre as muitas observações de interesse que ele tece está a indicação de que este romance é uma grande exceção na obra camiliana, no sentido de que tem uma estrutura e um plano de execução ao qual o autor obedece, fielmente, até às últimas páginas.

Se algo se pode afirmar da obra de ficção do escritor português é que ela se divide, perfeitamente, nas obras que fazem rir, e ridendo castigat mores, e as obras que fazem sentir profundamente, com laivos de romantismo. Nem é preciso entrar muito na leitura deste romance para classificá-lo, contudo: Camilo, em procedimento já vulgarizado após Cervantes e Lawrence Sterne, finge que não é autor, mas apenas editor não de um romance, mas de um diário de seu falecido amigo Silvestre da Silva, um tipo notável, cuja história entendeu por bem contar e comentar. Esse tipo de procedimento coloca a narrativa sempre em dois níveis e permite, na verdade quase impelindo, ao comentário irônico, lateral, do narrador.

Assim é que somos apresentados à comicidade do romance logo no preâmbulo:

“O meu amigo Faustino Xavier de Novais conheceu perfeitamente aquele nosso amigo Silvestre da Silva…
– Ora, se conheci!… Como está ele?
– Está bem: está enterrado há seis meses.”

Definitivamente, aqui não é o Camilo sério, choroso e pungente dos romances românticos. Então, qual será?

Coração, Cabeça e Estômago são três partes das “memórias” de Silvestre da Silva e correspondem às partes do corpo pelas quais o autor pretendeu viver: quando jovem, pelo coração; depois de desiludido, passou a escutar a penas a racionalidade; e, quando esta também lhe falhou, finalmente encontrou a felicidade pelo estômago, isto é, no atendimento às necessidades naturais, com sufocamento dos sentimentos transbordantes e da atividade cerebrina e fleumática.

No terreno do estilo, o Coração corresponde ao romantismo, a Cabeça ao realismo de tipo balzaquiano e o Estômago ao naturalismo, então nascente, sendo divulgado por traduções da primeira onda de escritores escandinavos e dos primeiros romances de Zola.

Longe de ser incorreto definir assim o livro, pois é verdade que se vê em cada parte a imitação virtuosa desses estilos, essa definição acaba saindo simplificada demais.

Silvestre da Silva de fato quer ser e se comportar como romântico, realista e naturalista em cada uma das partes: disto não há dúvida. Mas o estilo não é assim tão adequado, chegando mesmo a ser inconstante. No coração, por exemplo, temos uma bela amostragem do melhor estilo romântico de Camilo no trecho “A mulher que o mundo despreza”, quando o português dá uma folga à mordacidade e ironia para desafogar a vida de Marcolina e sua história comovente. Contudo, fora disso, o comentário sarcástico, as tiradas hilárias, como a passagem de Silvestre da Silva por Santarém ou o poema do periquito, tornam-se incompatíveis com o estilo rebuscado, verboso e choroso do romantismo, tanto assim que há pouca variação, no que toca ao estilo, entre o texto principal e as notas do editor, onde Camilo faz o comentário de raisoneur, ao estilo de Molière.

o “Português espírito romântico” e escrever “Amor de Perdição” – Amor de Perdição. Grande sucesso, muitas lágrimas e aplausos. Anos mais tarde, ele ainda faria “Salvation of Love” – Amor de Salvação, uma versão virtual da primeira final feliz.

Dos 30 anos de sua prolífica produção, “Coração, Cabeça e Estômago” é, no final do primeiro terço de século, mas poderia muito bem ser seu último trabalho, revendo principalmente os dois acima. Simbolizando os estilos românticos, realistas e até mesmo naturalista, o livro é quase uma síntese da literatura Castelo Branco, zombando com uma (auto) da ironia e do humor cópias de sua própria produção. Mesmo sendo escrito dois anos mais tarde, a semente de “Amor de Salvação” já está plantada no “coração, cabeça e estômago”; e sendo escrito no mesmo ano “Amor de Perdição” (1862), ainda soa como um retrato zombeteiro.

Uma obra satírica como poucos, altamente recomendado especialmente para aqueles que insistem em estudo apertado e sistemática dos chamados “estilos da época.” Ironicamente, como deve ser, com esse trabalho, e não em um livro obrigatório em grande parte dos cursos de Línguas. É uma pena. (

Ler Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco.
livro sobre Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco,
opinião do Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco,
autor do Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco,
ebook Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco,
ler Coração, Cabeça e Estômago – Camilo Castelo Branco

Written by dmendes40

Leave a Reply