Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor

Comédia

Baixar Livro Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor PDF MOBI LER ONLINE

Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor

Descrição do livro

Em Os canibais estão na sala de jantar , Arnaldo Jabor aborda, com sua linguagem peculiar, temas como – a crise é sempre culpa do outro; – ninguém quer partilhar a crise; – a crise provoca ciúmes; – a crise é um latifúndio improdutivo que ninguém quer dividir; – a crise pode ser uma atração turística, uma marca nacional; – a crise demanda mais crise, como a heroína; – a crise preenche nossas vidas; – a crise é uma minissérie da Globo; – já há um certo carinho moderno pela crise; – o dia em que a crise for embora, o que faremos? Teremos então um intenso tédio conjugal pela Pátria.

Baixar, Livro, eBook, PDF, ePub, mobi, Ler Online

Opinião do livro Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor PDF MOBI LER ONLINE

Sinopse: A crise é sempre culpa do outro. Ninguém quer partilhar a crise. A crise provoca ciúmes. A crise é um latifúndio improdutivo que ninguém quer dividir.
A crise pode ser uma atração turística, uma marca nacional. Uns países tem o urso cinzento, como os Estados Unidos, outros, a novelle cuisine, outros as estações de esqui, nós temos o erro permanente, o destino-pastelão.
A crise demanda mais crise, como a heroína. A crise preenche nossas vidas. A crise é uma minissérie da Globo.
Já há um certo carinho moderno pela crise. O dia em que a crise for embora, o que faremos? O que será de nós, sem assunto, sem tremor, relegados a tarefas menores como, digamos… trabalhar? Teremos então um intenso tédio conjugal pela Pátria.

Minhas Impressões: Arnaldo Jabor deve ter passado por lobotomia!

Trechos:

Página 32 – “(…)apenas dou a esmola normal, sem olhar para o garoto, que no entanto me olha sem parar. Sua mãe me olha a distância também. Mas eu não olho para eles. Por que esta dissincronia de olhares? A riqueza não olha a miséria, mas a miséria olha a riqueza. Não olho para não sentir culpa, ou para não ferir meu universo estético em que a miséria é um fator de desarmonia. A miséria não é plástica. A miséria nos lembra de que a desgraça existe, e que, por conseguinte, a morte também existe. Como quero esquecer a morte, não olho o menino.”

Página 32 – “Eu saio lucrando com a esmola, pois estou apaziguado, cumpri meu dever, me sinto legal, pois paguei um pedágio ao miserável por ter carro, comida e casa. Foi bom para mim aquele miserável. Assim, a miséria cumpriu uma função estabilizadora das regras sociais. A esmola que dei me consola mais do que ao mendigo. Também permite que eu me exclua da injustiça social, já que eu me indigno. Assim, a injustiça é feita por outros, por eles, pessoas sem rosto que são culpadas de tudo. O mundo é mau, mas eu estou fora; isto é um affair mal resolvido entre aquele garoto mendigo e os malvados do mundo. Assim, a caridade me faz bem, mais do que ao garoto que leva aquela mixaria que eu dei. A miséria mantém o mundo funcionando, apesar de sujar a paisagem.”

Página 39 – “João: ‘O Brasil está numa crise de parto. É um parto muito demorado. As coisas são surpreendentes. A revolução militar prendeu, torturou, etc… mas não regrediu o país. O país cresceu. Agora, com a liberdade está parado. Se puser o homem mais genial do mundo no governo, os estamentos burocráticos e os políticos reacionários não deixam.”

Página 40 – “Em suma, o Brasil em detalhe é só decadência, mas acho que no conjunto é positivo.”

Página 51 – “A miséria vista no aquário sem fim da TV acaba se banalizando; no cinema, a miséria da seca refletida no olho de um boi morto (primeira imagem de Deus e Diabo na Terra do Sol) pode falar mais que duas horas de Globo Repórter. o VT nos virtualiza, o cinema nos traz o real.”

Página 85 – “Com a crescente desesperança surge a busca do óbvio, da coisa pela coisa, do sim pelo sim.”

Página 155: “E nosso real está onde? Não na metáfora que se ilude em preenchê-lo; nosso real está no irretratável, no eterno vazio dentro de nós.”

Página 187 – “Nossos códigos penais terão de ser escritos para um tempo onde o horror é normal e o crime compensa.”

Página 192 – “Nós matávamos porque eles eram iguais a nós, moravam na mesma periferia, nos mesmos barracos, a gente matava neles a nossa vida miserável que nos fazia estar ali matando eles. Queríamos horrorizar as pessoas que não estavam ali, que diriam depois ‘que horror, que horror!’ Ninguém sabe que é horror; nós sabemos.”

Página 206 – “Jamais esse país avançará se não houver forças para acabar com os quatro interesses do apocalipse: a oligarquia rural, os oligopólios industriais, as multinacionais ditando preços e o Estado inchado. Quem tem cacife?”

Página 209 – “Se você tirar o sentimento de culpa do homem, ele cai de quatro e começa a urrar no bosque. A culpa é a nossa salvação.”

Página 210 – “(…) o japonês está contente de ser japonês, o americano eufórico por ser americano. Só o brasileiro odeia a própria imagem, como um Narciso às avessas.”

Ler Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor.
livro sobre Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor,
opinião do livro Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor,
autor do livro Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor,
ebook Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor,
ler Os Canibais Estão na Sala de Jantar – Arnaldo Jabor

Written by dmendes40

Leave a Reply